Jaloo :: Downtown



Sair do Norte ou Nordeste para tentar a vida em São Paulo é algo que está ficando fora de moda. Apesar da desigualdade ainda grande, essas regiões conseguiram muitos avanços. Mas eu mesmo não escapei desse roteiro que hoje é quase vintage: saí da Bahia aos 18, passei anos estudando em Sergipe, e em 2017 me mudei para São Paulo.

O N&N sempre foi uma região que consumiu a própria música e, de tempos em tempos, conseguia lançar alguém para o mainstream nacional. Mas com as novas formas de produzir e consumir música, o N&N está em todo lugar, e todo lugar está nele.

Jaloo é um exemplo - paraense e cidadão do mundo na mesma medida. Não à toa que seu primeiro destaque autoral tenha sido a canção “Downtown”. Traduzido do Inglês, significa centro da cidade - nos Estados Unidos é uma expressão mais comum em grandes metrópoles. O clipe da canção escancara: Amazônia versus todas os centros urbanos do mundo. Esse era só o início de uma enxurrada de conceitos que Jaloo iria trazer.

E o conceito de “Downtown” me pega profundamente. Só pra começar, o refrão tem notas longas que quase imploram pra você cantar junto - isso ataca o meu vício em fazer melisma e segunda voz... Porém por mais que a batida seja dançante, eu até já chorei ouvindo.

É que a letra e o arranjo são igualmente atraentes e misteriosos. Ele está falando sobre sexo? Sobre um amor não correspondido? Sobre a busca por uma realização? A graça é especular. Mas, sendo eu aquele baiano em São Paulo, essa canção lembra de como o centro de uma metrópole pode ser frenético e frio, sensual e sem amor.

Por muito tempo eu morei no SP-Downtown. Ruas esquecidas, não tão limpas, nem um pouco consciente de seus crimes. Uma cidade tão rica também guarda coisas indesejadas embaixo do tapete e, naquele momento de retirante sem emprego, eu era uma delas. 

O refrão diz “eu quero o seu amor, mas eu vivo no baixo” (numa tradução bem ruim)... Eu buscava a profissão, a arte, o autoconhecimento, mas eu parecia abaixo demais para conseguir. Essa busca não tem fim, assim como o canto de uma região subestimada do Brasil que não para de ecoar. Por enquanto eu continuo sob a garoa, até quando o meu conceito pessoal pedir. Como diz outro trecho da canção: “Agora que já me conhece, responda: você me ama?”.


            



Na coluna POP ' SPLAINING Edson Nova conversa sobre música pop brasileira e internacional, abordando o conceito das obras e sua relação pessoal com elas. A cada semana uma canção será o centro da conversa. Acompanhe a playlist no Spotify, no Deezer e  no YouTube.

Comentários

Mais Lidas